Aplicativos: onde os negócios realmente acontecem



Potencial do mercado de aplicativos tem despertado a atenção do mercado publicitário no Brasil e impulsiona um novo nicho de startups: as Ad techs


A mania e os acessos aos aplicativos continua a crescer. O fenômeno é mundial. De acordo com o portal App Annie, que monitora esse universo, apenas no último trimestre do ano passado, foram 27 bilhões de downloads, 7% a mais do que no mesmo período do ano anterior. Ainda segundo o estudo, o gasto com aplicativos cresceu 20%, quebrando recorde e atingindo a cifra de US$ 17 bilhões. O Brasil, assim como os demais países emergentes, ocupa posição de destaque neste cenário – já temos mais downloads na Google Play Store que os Estados Unidos.

E pensar que os apps surgiram recentemente por aqui e que a procura por serviços mobile no Brasil sofreu um boom há cinco anos, alavancado principalmente pelos aplicativos de taxi, entrega de comida, varejo e serviços bancários, cada vez mais populares entre os brasileiros. Apesar disso, foi nos últimos dois anos que os investimentos das marcas em desktop passaram a migrar de forma mais acentuada para o marketing de aplicativos. 

A realidade e o potencial do mercado de apps já vem despertando a atenção do mercado publicitário por aqui. Os aplicativos são o lugar onde os negócios acontecem e os números provam – o mercado de anúncios pagos para atração e retenção de usuários passou a movimentar mais de US$ 3 bilhões por ano no Brasil. O valor chega a US$ 4,8 bilhões em gastos com publicidade em aplicativos na América Latina – ou seja, representamos cerca de 70% desse montante. 

Recente estudo feito pela plataforma de mensuração de aplicativos AppsFlyer, revela o amadurecimento dos apps do ponto de vista do marketing. Entre 2016 e 2018, o volume de instalações não orgânicas – aquelas vindas de anúncios ou posts pagos passou de 18% para 37%, enquanto que as orgânicas caíram de 82% para 63%. O que significa dizer que cada vez mais os aplicativos investem em publicidade para atrair ou reter instalações – de 2017 para 2018 houve aumento de 62% em campanhas de retargeting de usuários. 

Não se trata apenas de reflexos trazidos pela mudança de comportamento do consumidor, cada vez mais conectado e plugado nas telinhas dos dispositivos móveis. Mas uma percepção dos anunciantes de que visibilidade, apesar de importante, não é suficiente. É preciso performar, converter os anúncios em ROI e KPI’s, gerar negócios – sendo eles na aquisição, mas principalmente e aqui está o maior desafio, na retenção de usuários para seu app. 

Segundo recente estudo que fizemos na Applift, o brasileiro tem, em média, 36 aplicativos instalados nos seu smartphone. Desse total, um em cada quatro (25%) nunca foram usados apesar de baixados. E pior, a cada 30 dias um app perde cerca de 90% da base que acabou de criar de usuários e outros 23% abandonam o app logo após a instalação. 

Além da maciça presença do público, da audiência crescente e do grande potencial ainda a ser desbravado neste universo, o setor de aplicativos oferece ainda a oportunidade de explorar nichos de mercado mais assertivos, localizando e impactando de forma mais certeira, o target a ser alcançado. 

Em um curto espaço de tempo, o Brasil emergiu como um dos principais países em crescimento em mobilidade na região latino-americana. Pesquisa feita pelo IBGE aponta que 92,1% do acesso à rede já ocorre via dispositivos móveis. Cerca de 35% dos pagamentos atualmente ocorrem via plataforma mobile. Mercados como varejo e financeiro, atentos ao rápido crescimento e ao potencial deste segmento, passaram a olhar com outros olhos esse mercado. E essa movimentação aqueceu e colocou de vez no radar, as chamadas Ad techs

Diferente de outros países, como nos Estados Unidos, Europa e Ásia, onde o setor de games nada de braçada nos universos on-line e e-commerce, por aqui são os dois segmentos que vem aquecendo cada vez mais o mundo das operações e transações digitais/mobile. Apenas no primeiro semestre desse ano, o comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 23,6 bilhões, alta de 12,1% em comparação ao mesmo período no ano anterior, como apontou relatório da Webshoppers. Já segundo levantamento feito pelo Ebit/Nielsen, a expectativa é de que o setor de e-commerce feche 2018 com vendas de R$ 53,4 bilhões, mais de 12% a mais do que em 2017. 

Se estabelecermos as estatísticas e tendências mais importantes do ano passado, já estamos tão animados sobre como podemos esperar que a região se desenvolva ainda mais até o final deste ano. 

*Marcus Imaizumi é o head de operações da Applift no Brasil e Latam

 






Source link

Administrador AcessoWi-Fi.com – Gerente UnicoHost Soluções Web – Engenheiro de Redes

Julio Rossoni

Administrador AcessoWi-Fi.com - Gerente UnicoHost Soluções Web - Engenheiro de Redes

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.